Buscar
  • Schaefer & Souza

O PERIGO DOS VAZAMENTOS DE DADOS E COMO EVITAR CAIR EM GOLPES.


Em agosto de 2018 foi aprovado no Congresso Nacional a aprovação da Lei n° 13.709/18 que dispõe sobre a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, conhecida como LGPD.


A Lei dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da pessoa natural.


O objetivo principal da nova legislação é a proteção de dados de pessoas físicas e pessoas jurídicas, entretanto, é de conhecimento público noticiado através de vários meios de comunicação de que houve um gigantesco vazamento de dados há poucos dias (19.01.2021) expondo informações confidenciais de mais de 220 milhões de brasileiros, inclusive de pessoas que já faleceram.


Há quem diga que se trata do maior vazamento de dados e informações da história em nosso país!


Não temos dúvidas de que a tecnologia proporciona ferramentas magnificas para nosso dia a dia, por outro lado, ficamos cada vez mais vulneráveis e expostos a todo momento em que efetuamos um simples cadastro com informações básicas, tais como, nome completo, e-mail, endereço ou até mesmo um cadastro mais elaborado como informar CPF ou RG em determinado comercio ou loja sendo elas físicas ou digitais.


Entre os dados e informações vazados e encontrados na Deep Web (área da internet “escondida” de difícil acesso e sem regulamentação) estão nomes, CPFs, datas de nascimento, endereço, dados de veículos, detalhes sobre imposto de renda, escolaridade, dados financeiros etc.


Infelizmente esses dados são comercializados de forma ilegal para que seja realizada através de golpistas operações sem nenhum consentimento do titular dos dados, como abertura de conta bancária, solicitações de cartões de créditos, inscrição em programas sociais (auxilio emergencial, bolsa família entre outros), saques de Fundo de Garantia (FGTS), cadastros de linhas telefônicas e/ou celulares, dentro outras coisas que são possíveis realizar com dados e informações de terceiros.


Com as informações vazadas, outra forma bastante utilizada pelos golpistas é o famoso “sequestro do WhatsApp” que é quando a possuidora do aplicativo vinculado ao número de telefone perde o acesso total de suas mensagens e contatos, passando a ser utilizado pelo criminoso.


O golpe principal utilizado é feito da seguinte forma: o criminoso ele tenta fazer o cadastro da vitima em um telefone novo no aplicativo do WhatsApp e imediatamente é enviado para a vitima via SMS um Código de verificação momento esse em que o golpista entrará em contato com a vítima para de alguma forma consiga esse Código de verificação. O criminoso tentará de todas as formas ter acesso ao Código de verificação, criando teorias, como por exemplo, realização de uma pesquisa sobre Covid-19; seu cartão foi clonado e precisa ser atualizado; você recebeu um aumento em seu limite de crédito; você foi sorteado em alguma premiação; algum desconto em cadastro fidelidade; etc., para criatividade do criminoso o céu é o limite, pois tudo que eles querem é que você informe qual o Código que chegou em seu aparelho via SMS.


Em hipótese nenhuma, jamais informe ou forneça esse Código de verificação para ninguém, pois uma vez fornecida o criminoso terá controle total de seu aplicativo e poderá aplicar diversos golpes com os seus contatos, sendo o mais famoso o pedido de dinheiro para alguma suposta emergência.


E caso você também receba alguma mensagem de alguém, pode ser um familiar, amigo, colega solicitando dinheiro emprestado, converse diretamente com essa pessoa.


Jamais faça a transferência antes de conversar com a pessoa, pois pode ser que você esteja caindo em um golpe e não perceba.


Para piorar houve um novo vazamento de dados expondo mais de 100 milhões de celulares no dia 11 de fevereiro de 2021.


A princípio, acredita-se que os dados vazados pertencem a clientes e usuários das operadoras Vivo e Claro, embora as operadoras afirmaram desconhecimento de falhas no sistema e vazamento de informações.


Com essas novas informações é necessário também muito cuidado no momento de pagamento de boletos e faturas que são remetidos diretamente na residência ou por e-mail, isso porque, os criminosos uma vez possuindo acesso em quais locais a pessoa possui dívidas ou contas, poderão utilizar do método do “golpe do falso boleto ou falsa fatura” que é justamente uma fatura idêntica a original só que com alteração no código de barras.


Um dos métodos mais conhecido do falso boleto é feita da seguinte forma: o golpista tenta de alguma forma pegar alguma fatura, principalmente faturas nas caixas dos correios das residências, podendo ser de banco, telefone, dentre outros, e levam para determinado local para efetuar a falsificação do código de barra e coloca novamente na caixa dos correios da residência que foi retirada para que a vítima efetue o pagamento.


O golpe do boleto falso pode ser evitado de uma forma bem simples, no momento do pagamento verifique se a conta para depósito é da empresa que presta serviço para você, por exemplo, se a fatura é do Banco do Brasil a pessoa beneficiária/recebedora deverá ser o Banco do Brasil, não pode constar nome de outra pessoa, sendo ela física ou jurídica; da mesma forma se for uma empresa de celular, caso você tenha uma fatura na empresa TIM, deverá constar no boleto que a TIM é beneficiária do pagamento.


Portanto, toda vez que for efetuar um pagamento de boleto/fatura verifique qual o nome da Empresa que vai receber e depois qual a conta de depósito, caso esteja desconfiado, entre sempre em contato com a empresa solicitando um novo boleto ou confirmando se o que você tem em mãos é o verdadeiro.


Recomendamos que sempre busque os telefones nos sites oficiais, até porque na “falsa fatura” poderá conter também um telefone falso para contato.


Os criminosos estão cada vez mais criativos quando o assunto é aplicar golpes.


Todo cuidado ainda é pouco.


Para evitar ainda qualquer acesso de criminosos em aplicativos, e-mails, redes sociais e outros, recomendamos que seja efetuado a autenticação de dois fatores.


A autenticação de dois fatores é um recurso que é oferecido por grande parte dos prestadores de serviços online que acrescenta maior segurança ao usuário, exigindo não somente o login e senha de acesso como é tradicionalmente, mas também outra etapa de segurança.


A senha é a primeira etapa, a segunda etapa geralmente é enviada um SMS ou um Código em seu e-mail para que seja informando esse código no momento em que você for acessar o aplicativo ou o serviço online.


A ideia principal é que para a pessoa efetuar o acesso, além da senha ela deve possuir algo mais.


O criminoso pode até conseguir acessar sua senha, porém, na autenticação de dois fatores ele também deverá ter acesso ao segundo fator, tornando o crime mais difícil, pois além de suas senhas ele precisaria também do acesso ao seu aparelho celular, por exemplo.


Embora não seja um método infalível, acreditamos que é uma excelente barreira para proteção de suas informações e dados contra acesso de terceiros mal intencionados.


Assim, multiplique os cuidados, não forneça senha para ninguém, os bancos não ligam em sua residência solicitando suas senhas e também não enviam ninguém para retirar cartão em sua residência, não clique em links suspeitos, principalmente aqueles recebidos por mensagens pedindo senha ou dados pessoais, não faça transferências para contas desconhecidas, pois não queremos que você seja vitima de qualquer tipo de golpe ou fraude.


E se por algum motivo você for vítima, recomendamos que busque o mais breve possível as autoridades competentes para apuração do delito através do boletim de ocorrência na Polícia Militar e ajuda através de um Advogado de sua confiança e/ou Juizados Especiais para tentar de alguma forma amenizar seu prejuízo através do Poder Judiciário.


Compartilhe com seus amigos, familiares e colegas para que juntos possamos caminhar com maior proteção e segurança dos nossos dados e informações pessoais.


Advogado Christiano Herick Costa de Souza


Foz do Iguaçu-PR,

12 de fevereiro de 2021.



Fontes:

https://exame.com/tecnologia/vazamento-pode-ter-exposto-dados-de-mais-de-200-milhoes-de-brasileiros/


https://www.cnnbrasil.com.br/business/2021/02/10/novo-vazamento-expoe-dados-telefonicos-de-mais-de-100-milhoes-de-brasileiros




75 visualizações0 comentário

© 2019 por SCHAEFER & SOUZA ADVOGADOS ASSOCIADOS